domingo, 26 de outubro de 2014

Considerações sobre o resultado.

Hoje, foi escrito mais um capítulo triste da história deste nosso Brasil. Em uma eleição imprevisível e repleta de viradas, Dilma garantiu mais quatro anos de governo. Mas toda a eleição não foi em vão. Nas ruas, o sentimento de imensa insatisfação em relação à petista prosperou, levando quase metade de todos os votos válidos irem para Aécio Neves. 

A oposição reuniu quase 50% dos votos. E, mesmo perdendo, reunimos uma parcela do eleitorado superior à conquistada por José Serra em 2010. Aécio foi o tucano mais votado na história do país, com mais de 50 milhões de votos. Consolidou-se como liderança e como representante da oposição.

Dilma ganhou a eleição na base do medo, do ódio, da mentira, e vai governar um país onde as pessoas já se cansaram do PT. Não foi dessa vez, chegamos muito perto. Mas em 2018, quem sabe, com uma oposição mais forte e reunida, conseguiremos nosso objetivo. Aécio sai dessa eleição firme e forte, e nós não vamos nos deixar abater. Quanto ao resultado propriamente dito, meu único comentário é que o Brasil perdeu, lamentavelmente. E perdeu por culpa dos próprios brasileiros.


O que a Folha diz sobre o Datafolha. Ou: Folha aponta vitória de Aécio.

No post abaixo eu disse que nem Datafolha nem Ibope apresentaram pesquisas por região. Retifico: o Datafolha apresentou números, não de regiões, mas de alguns estados. Dissecando esta pesquisa, e baseado no que a própria Folha de S. Paulo diz da mesma, chegamos à conclusão de que há grande chance de Aécio ser o vitorioso. Antes de tudo, leiam a matéria aqui. Abaixo, a imagem.

Segundo a matéria da Folha, o eleitorado de Aécio começou a ganhar mais adeptos, em uma tendência já apontada pelo mercado financeiro na sexta e pela pesquisa MDA. Ainda segundo a Folha, Aécio cresceu em três estados analisados (São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais) e manteve o mesmo índice no Rio Grande do Sul. 

Dilma tentou associar Aécio Neves com a crise hídrica que vem prejudicando São Paulo. Não deu certo. A esmagadora maioria dos paulistas vota em Aécio. São 63% de votos para Aécio, uma votação que é, inclusive, muito superior a conseguida por José Serra em 2010. É superior também ao índice alcançado por Geraldo Alckmin em sua reeleição para o governo e o de Serra para o senado. Os ataques covardes do PT, pelo menos em São Paulo, não deram certo. E isso é uma boa notícia.

Já no Rio de Janeiro, a situação é adversa para Aécio. O Datafolha aponta que a petista tem uma vantagem de 18 pontos sobre o tucano. É mentira! Na matéria, vocês podem ver que Dilma tem 51% contra 37% de Aécio. São 14 pontos de diferença. Nos votos válidos, ao invés de 58x42, deveria estar 57x43. Esse erro grotesco não deveria passar desapercebido. 

Em Minas Gerais, a reação de Aécio colocou sete pontos de vantagem sobre Dilma. Ele tem 49, ela 42. O estranho é a virada repentina de Aécio. Em 24h, ele subiu cinco pontos percentuais e Dilma caiu três. Ou o eleitor é muito volátil ou Aécio sempre esteve na frente. Típico dos institutos que erram e vão corrigindo os números aos poucos até eles ficarem próximos da realidade na véspera.

Agora, o principal ponto que quero apresentar é o que a própria Folha fala sobre a pesquisa. Segundo a matéria, a oscilação no quadro eleitoral não foi maior porque Dilma oscilou de 43 para 45% na região Sul. Eu duvido que Dilma tenha essa porcentagem no Sul do país. Não é possível. Só em Santa Catarina, no primeiro turno, Aécio teve 52% dos votos. Segundo pesquisa do  instituto Methodus, divulgada pelo blog do jornalista Políbio Braga, Aécio tem 67% dos votos contra 33% de Dilma. Acredito que a diferença seja algo em torno de 25 pontos, e que Dilma não passará dos 40% no Sul.

E, com a certeza do erro apresentado no quadro eleitoral da região Sul, interpreto a fala da Folha como uma insinuação de que Aécio pode vencer as eleições. Se o quadro apresentado pelo Datafolha nacionalmente for verdadeiro, a exceção da parte Sul do país, o tucano tem grande chance de ganhar. Mas não vamos confiar na pesquisa, e sim no que o brasileiro fará para o bem do país. Nós vamos ganhar essa eleição.

sábado, 25 de outubro de 2014

Um quadro incerto.

Desde há muito tempo, aprendemos a não confiar em pesquisas eleitorais. São manipuladas, muitas vezes mentirosas e não condizem com a realidade. E agora, vemos variadas pesquisas refletindo números contraditórios e discrepantes. Afinal, qual instituto de pesquisas representa com maior veracidade o quadro eleitoral atual? Um? Dois? Nenhum? É difícil dizer.

O Datafolha, que errou em 6 pontos a votação de Aécio Neves no primeiro turno, diz que há um empate técnico. Segundo o instituto, Dilma tem uma vantagem de quatro pontos, configurando o placar de 52x48. Este blogueiro acredita que, de acordo com os votos em todo o país, a margem de erro está vendida como de praxe, e o instituto deveria apresentar um rigoroso empate numérico de 50% (45% em votos totais) para ambos os candidatos. Esse mesmo Datafolha diz que há uma chance maior de Dilma estar na frente. Ora, como assim? Isto está estranho e fora do contexto.

Já o Ibope mostra um quadro com Dilma fora da margem de erro e, segundo eles próprios, muito próxima à reeleição. O placar está 53x47. O mesmo Ibope que, segundo algumas informações soltas na rede, recebeu dinheiro do PT. O mesmo Ibope que, na boca de urna do primeiro turno, conseguiu errar a votação de Aécio e Dilma fora da margem de erro (segundo o Ibope, a diferença entre os dois era de 14 pontos percentuais, mas nas urnas ela provou ser apenas de 8). Esse Ibope deu +3 pontos para Dilma e -3 pontos para Aécio no primeiro turno. Poderia estar fazendo a mesma coisa agora? Poderia, já que, segundo o colunista Lauro Jardim da revista Veja indicou semana retrasada que o Ibope não fará pesquisa de boca de urna neste segundo turno nem nas próximas eleições. O empate de 50% para ambos os candidatos é plausível.

Além disso, informações divulgadas por blogs e sites atestam que houve distorção na amostragem dos dois institutos em relação aos entrevistados. Se for verdade, é um absurdo e corrobora que Aécio está na frente. Já tivemos amplas oportunidades de ver o quanto Datafolha e Ibope erraram, não representando em suas pesquisas o anseio do povo. Por isso, não podemos nos deixar levar pelo que estas pesquisas dizem. Soma-se a isso o fato de nenhuma dessas  pesquisas ter divulgado a votação por regiões, porque sabem que se fizerem isso, vão passar uma vergonha ainda maior amanhã.

Temos mais uma pesquisa pró-Dilma, a Vox Populi, que dá sete pontos de vantagem para Dilma (configurando um quadro semelhante ao do Ibope). Não é possível falar desta pesquisa sem citar seus inúmeros erros passados. Devemos lembrar que na eleição de 2010 esse mesmo instituto fazia um tracking diário no primeiro turno com o desempenho dos presidenciáveis, e chegou a apresentar uma vantagem de 35 pontos de Dilma sobre Serra (56% contra 21% em votos totais, quando nas urnas foram 46% contra 33% de votos válidos). Dá pra confiar? Já vimos que não. Então o resultado apresentado obviamente não reflete a realidade.

As seguintes pesquisas, MDA e Sensus, mostram Aécio na dianteira. A primeira o coloca com 50,3% dos votos, em um rigoroso empate com Dilma, mas em viés de subida (na pesquisa anterior, ele estava com 49,5%). Já a Sensus diminuiu a vantagem de Aécio para por volta de cinco pontos percentuais (antes eram 9), mas Aécio permanece na frente.

Soma-se a estas duas pesquisas o Instituto Veritá, que atesta que Aécio está pouco mais de seis pontos percentuais à frente de Dilma. O Veritá e o Sensus foram os institutos que indicaram primeiro a arrancada de Aécio que culminou na sua ultrapassagem à Marina Silva no primeiro turno, portanto prefiro acreditar que Aécio tem sim, uma vantagem sobre Dilma. Os petistas tem ódio por estas pesquisas, enquanto acreditam piamente nas demais que erraram tanto. Temos que acreditar que estamos na frente.

Os trackings divergem. O tracking tucano e de outras duas empresas, divulgadas pelo Coronel do blog Coturno Noturno, indica uma vantagem de Aécio de três a seis pontos percentuais. O tracking petista indica vantagem de Dilma. O Ibovespa Futuro, com base em seus gráficos, prevê que o jogo virou e que Aécio será eleito presidente. O Instituto Methodus, com pesquisa divulgada no blog do jornalista Políbio Braga, indica uma vantagem de dez pontos para o tucano.

São muitas pesquisas e nenhuma certeza. O quadro está completamente indefinido. Hoje, na televisão, pude ver uma Dilma mais estranha ainda, com a voz carregada e o corpo cheio de gestos e movimentos, denotando um certo nervosismo. Eu só a vi assim em uma oportunidade: no começo do segundo turno, quando vazaram as denúncias da Petrobrás e houve uma previsão de que ela cairia nas pesquisas. Dilma usou o horário eleitoral e, com esta mesma expressão tentou desqualificar as denúncias sobre a Petrobrás.

O viés de Aécio, segundo o mercado financeiro, é de alta. E o debate de ontem mostrou porque ele é o mais preparado. Mas será o suficiente para uma virada? Aliás, haverá uma virada ou sempre estivemos na frente? É um clima em que o sentimento pelo Brasil é grande, mas não devemos nos enganar: os vermelhos existem em um bom número. Não podemos dizer que já ganhamos, porque a vitória só virá amanhã, com todos digitando 45 na urna eletrônica e esperando ansiosamente as 20h, quando os primeiros números da apuração, que estará bem avançada por sinal, forem divulgadas. Devemos fazer nossa parte e não nos influenciarmos por pesquisas que nunca refletiram a vontade do povo. Hoje, mais uma batalha chegou ao fim. Amanhã, venceremos a guerra.


Sobre o "meu banho, minha vida"

"Meu banho, minha vida". Este foi o bizarro nome que Dilma, no debate da Globo, encontrou para um fictício programa do PSDB, ironizando a falta de água em São Paulo. É de total irresponsabilidade uma presidente da república usar um termo tão leviano em um debate desse porte. A forma covarde do PT de tentar explorar a crise hídrica no estado mostra falta do que saber inventar. Jogar o problema nas costas de Geraldo Alckmin unicamente é uma mentira sem tamanho. Estamos passando por um período de seca, e isso em várias regiões do Brasil, o que evidentemente vai refletir em São Paulo, uma cidade incrivelmente populosa. Agora some isso ao desperdício da água por pessoas, indústrias e etc. Não é uma coisa simples. E jogar o problema nas costas não de Alckmin, mas de Aécio, como Dilma vem tentando fazer desde semana passada, é totalmente sem nexo. Dilma, tentando ser engraçada talvez, tentou tirar sarro não só do PSDB, mas de todo povo paulista. Mas eles vão agir sabiamente e ajudar a expulsar essa corja do país. A resposta para a piada infame de Dilma virá nas urnas, com o 45  na urna eletrônica.

Um debate determinante.

Lembro-me, em 2010, do debate de candidatos à presidência realizado na Rede Globo. Na época, eu havia escrito um post a respeito, brincando com o nome e chamando-o de sabatina da Globo, pela completa ausência de confrontos diretos, o que tornou o debate desinteressante.

Agora, quatro anos depois, a emissora acerta na fórmula e cria um debate onde dosa perguntas de eleitores com confronto direto, proporcionando uma experiência mais agradável do que a anterior. Todas as emissoras priorizaram o confronto direto, mas neste debate tivemos eleitores indecisos que puderam fazer perguntas aos candidatos.

Vamos, neste post, ignorar as trapalhadas de William Bonner, que ocorreram no primeiro turno e voltaram a acontecer. O formato do debate pareceu desconfortável. Mas Aécio Neves conseguiu administrar muito melhor este novo modelo. Dilma perdia o fio da meada várias vezes e seu raciocínio era interrompido pelo esgotamento do tempo. Para tentar maquiar suas falhas, Dilma partia para cima de Aécio de maneira agressiva, acabando por cometer algumas confusões marcantes. A candidata, por exemplo, chamou um dos eleitores indecisos de candidato, talvez por sua mente já estar com esta palavra guardada na cabeça. Durante todo o debate eu a vi utilizando, normalmente seguida de um sorriso falso.

Já Aécio conseguia falar de suas propostas e encurralou Dilma diversas vezes, notavelmente nas questões do porto de Cuba, do escândalo da Petrobrás e do mensalão, onde Dilma fugiu das perguntas querendo apontar erros no governo do PSDB. Aécio conseguia destrinchar a fala de Dilma e contrapô-la, e só restava à candidata uma ironia nojenta e agressões mentirosas. Dizer que o PSDB estaria criando "meu banho, minha vida" foi um erro grotesco por parte de Dilma que, espero eu, a fará perder votos. Fazer piada com uma situação tão séria, que afeta milhões de pessoas, é uma atitude completamente irresponsável para uma presidente da república. Além de subestimar a inteligência do telespectador falando de Senai e Pronatec.

Em um momento memorável, Aécio disse que para a corrupção ter um fim no Brasil é preciso uma medida que não dependa do Congresso: tirar o PT do governo. Nesse instante ele foi ovacionado pela maioria. Em outra oportunidade, Aécio disse que Dilma gosta de citar Fernando Henrique, mas que seu nome é Aécio, além de fazer várias correções sobre palavras.  Nas considerações finais, outro show de Aécio. Fazendo uma comparação, pudemos ver que a quantidade de aplausos que o candidato do PSDB levou foi infinitamente maior do que os aplausos recebidos por Dilma. 

Aécio é o mais preparado, e provou isso no debate. Tendo em vista (segundo dados prévios) a audiência enorme do debate, espero que as pesquisas de amanhã denotem alguma movimentação em favor do tucano. Seria a carta na manga que Ibope e Datafolha poderiam usar para tentar corrigir os índices dos candidatos apresentados até então. Aécio provou mais uma vez que é o candidato da mudança, e que em domingo 26 o brasileiro deve prezar pelo seu bem e digitar 45 na urna.

Jogo definido somente aos 45 do segundo tempo.

Desde o início da campanha vemos pessoas cantando vitória, seja apoiadores de Dilma, Aécio ou Marina. Afirmações que não levaram em conta a quantidade incrível de viradas que teríamos nessa eleição. A queda de Dilma com os protestos, a morte de Eduardo Campos, a subida repentina de Marina, a ultrapassagem de Aécio sobre Marina, a ultrapassagem de Aécio sobre Dilma, a suposta (pois tudo indica que é mentira) notícia de que Dilma estaria abrindo mais de seis pontos de vantagem para Aécio e as notícias mais recentes, que indicam que após uma mobilização positiva do mercado financeiro e da bolsa de valores, Aécio está conseguindo subir.

É uma eleição acirrada, do tipo que nós nunca tivemos na história recente do país. Nesta turbulenta eleição vimos uma grande campanha de ódio e difamação por parte do PT. Derreteram a candidatura de Marina e tão logo o segundo turno começou, a campanha da mentira recomeçou. Claro que não seria fácil derrubar o tucano - não está sendo. Aécio resistiu às críticas e com seus discursos, programas e uma campanha cativante conquistou outra fatia do eleitorado importantíssima na definição de sua vitória.

Agora, há quase um dia da eleição, surge a denúncia de que Lula e Dilma sabiam da corrupção na Petrobrás. É, sem dúvida, um golpe na candidatura da petista, que vangloria-se por ter supostamente ultrapassado Aécio nas pesquisas. Mentira! Todos sabem que o Ibope e Datafolha costumam vender suas margens de erro e manipular o resultado real. Foi assim em 2006, quando Alckmin estava com 20%, foi assim em 2010, quando Serra ficou com estes mesmos 20%, foi assim em todas as eleições. Não é por isso que as pesquisas Veritá e Sensus, que dão a dianteira para Aécio, estão corretas. Na verdade, toda essa discrepância entre as pesquisas é muito estranha. Porém, as pesquisas internas de empresas, do próprio PSDB e o movimento financeiro mostram um placar um pouco diferente.

Esta eleição está acirradíssima, não importa o que os institutos digam. É preciso aproveitar esse sábado com todo o vigor possível. É a nossa chance, e talvez a última. Depois dessa, é possível que apenas em 2026 tenhamos chances reais de vencer o pleito. Esta eleição não está definida e cada voto é de suma importância. Estamos caminhando para escolher dois projetos. E cada brasileiro que estiver votando em Aécio não estará votando apenas no candidato, e sim acreditando em uma mudança de país. Não vamos nos dispersar. Lutaremos até o fim, e a vitória virá como consequência.

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Falta pouco para a vitória.

Falta pouco, apenas alguns dias. 26 de outubro se aproxima a passos largos e vimos uma disputa presidencial sem precedentes, marcada por inúmeras viradas e com candidatos disputando voto a voto a eleição. O primeiro turno já acabou, e a campanha no segundo está terminando.

De um lado vemos um candidato que debate propostas, que debate o Brasil. Do outro, uma candidata desequilibrada, nervosa e que mente a todo momento, trazendo dia após dia mentiras sobre Aécio. Não se pode descansar enquanto qualquer dessas mentiras estiver no ar. Para cada mentira, uma proposta. E um contra-ataque merecido.

Lutamos muito nessa eleição. Lutamos para eleger nosso candidato, Aécio Neves. Angariamos votos para ele, fizemos campanha nas redes sociais. Em dado momento estivemos abatidos com uma possível derrota logo no primeiro turno, mas Aécio superou expectativas, superou Dilma e agora temos uma oportunidade muito grande de tirar o PT do comando do Brasil.

Em 2010, em alguns momentos eu sentia desânimo. Em 2006, não acreditava que Alckmin pudesse virar o jogo contra Lula. Mas agora as coisas são diferentes. Há um grande sentimento de mudança no ar, um sentimento que Aécio encarna, um sentimento que bate no coração da maioria dos brasileiros.

Nós temos essa oportunidade de mudança agora, dia 26. Temos que tirar os petistas do governo, já. Para um fim à corrupção desenfreada, ao crescimento pífio, aos serviços públicos ruins, para o fim do ataque à democracia e às reputações. Não é possível que um partido tão criminoso quanto o PT se mantenha no poder. E o povo vai reagir a tantas mentiras e enganações. Dia 26, é Aécio na cabeça. 45!!!

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Análise do debate de hoje (14/10) na Band.

Um professor dando aula a uma aluna. É só assim que posso sintetizar em uma frase o debate de hoje entre Aécio Neves (PSDB) e Dilma Rousseff (PT). O resultado do debate foi incrivelmente positivo para a candidatura tucana, e creio que será revertido em votos favoráveis a nós de agora em diante.

Se sair bem no primeiro debate é sempre um trunfo, que o PSDB lamentavelmente não conseguiu alcançar em 2010. Na época, o agora senador José Serra preparou-se para o debate esperando encontrar uma Dilma fraca e despreparada. Mas Dilma mudou seu estilo, surpreendendo a todos, com uma postura incisiva e agressiva que conseguiu superar o adversário no debate em questão. Talvez vocês não se lembrem, isso foi há quatro anos. Mas comparando o debate de agora com o que foi realizado em 2010, na mesma emissora, no mesmo segundo turno, as coisas mudaram bastante e os ventos sopram a nosso favor.

Aécio dominou Dilma Rousseff de forma exemplar, conseguindo apontar as inúmeras falhas no governo da petista e ironizando quando necessário, quando citou, por exemplo, que pareciam existir dois candidatos da oposição na disputa. Dilma tentou replicar, estabelecendo sempre que possível mentiras e acusações infundadas contra Aécio, que respondeu de forma clara e direta. Dilma foi acuada várias vezes e tentava esboçar sorrisos falsos na tentativa de imitar o candidato do PSDB. Um momento memorável, que talvez nem todos tenham percebido, foi a incapacidade de Dilma de falar a palavra imprevisibilidade. Em dado momento, ela teve que repetir três vezes para que conseguisse pronunciar corretamente. 

Não só nesse momento, como em todo o debate, a gagueira coordenou o discurso de Dilma. Em várias ocasiões ela mesma se interrompeu para encadear outro raciocínio, com outras palavras, deixando o anterior para trás e assim confundindo não só o telespectador, como também o próprio Aécio Neves, que em uma de suas respostas afirmou que a pergunta de Dilma era bastante confusa. Dilma pareceu irônica ao falar com jornalistas antes do debate, ao dizer que iria debater propostas. Foi só o debate começar que uma de suas primeiras indagações foi a respeito do aeroporto de Aécio na cidade de Cláudio. É uma irresponsabilidade que uma presidente faça declarações tão levianas sobre um assunto já explorado e que não apresenta irregularidades segundo o Ministério Público. A partir daí, 50% das falas de Dilma eram sobre o governo de FHC. Essa obsessão com o ex-presidente gerou vários comentários irônicos de Aécio. Em um deles, Aécio perguntou se Dilma estava vendo nele a figura de Fernando Henrique, e em outro mandou a presidente parar de olhar no retrovisor.

Além disso, deve-se destacar o terrorismo eleitoral que a campanha do PT vem fazendo. Hoje, eles realmente passaram dos limites. Sempre que o debate entrava em intervalo, suas inserções mentirosas vinham à tona, em um tom que beira o desespero. Ao término dos comerciais e retornando ao debate, éramos bombardeados com mentiras de dar nojo. Dilma chegou ao cúmulo de afirmar que o programa Bolsa Família não tem nada a ver com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso ou o PSDB, e que associar isso seria lenda ou fabulação. Uma mentira sem precedentes, que Aécio desconstruiu facilmente falando do momento no qual Lula agradece ao governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), por ter tido a ideia que culminou na unificação dos programas sociais do governo anterior, e, portanto, na criação do bolsa família. E, em um momento memorável, Aécio citou Marina e Renata Campos, consolidando-se como o candidato de uma força política cada vez mais forte no Brasil, que exige a mudança do atual governo.

Analisando o debate podemos ver um candidato seguro, que está pronto para ser presidente, e uma candidata gaga, despreparada e que recorre a um infinito arsenal de mentiras e manipulações para tentar alcançar seu objetivo. Está mais do que claro para os brasileiros que o mais preparado é Aécio Neves, e com a nossa força conjunta ele ganhará estas eleições. Se o PT não mudou o Brasil em 12 anos, agora é hora de mudar. E a mudança é Aécio.

domingo, 12 de outubro de 2014

Sucessão de notícias boas nesse segundo turno

Esta eleição presidencial começou de uma forma curiosa. Havia uma certeza de que Dilma venceria no primeiro turno, isso lá atrás, em 2013. Com o advento das manifestações, ela despencou nas pesquisas, só voltando a subir tempos depois, e mesmo assim não recuperou nem metade do que foi perdido. Paralelamente a isso, víamos o alvorecer da candidatura de Aécio Neves, o estilo novo de Eduardo Campos e a luta política de Marina Silva em registrar sua Rede Sustentabilidade.

Em dado momento, Dilma tinha vantagem sobre todos os adversários somados. Depois, Aécio começou a subir. Eduardo, em uma jogada de mestre, fez Marina sua vice. Após o trágico acidente que matou Campos, Marina naturalmente foi a escolhida do PSB para encabeçar a chapa. Uma onda verde tomou conta do país e chegou a ameaçar Dilma no primeiro turno. Mas Marina não mostrou solidez e sua onda foi engolida por um tsunami azul, que em duas semanas conseguiu angariar quase vinte milhões de votos e fazer Aécio ir ao segundo turno da eleição com uma diferença de apenas oito pontos para Dilma Rousseff. E agora, começou uma nova eleição.

A campanha do medo recomeçou, e o PT tenta a cada dia destruir a imagem de Aécio e do PSDB. Mas nem por isso a campanha tucana deixa de ter uma sucessão de boas notícias. Vieram os apoios de vários partidos, incluindo o PSB de Eduardo Campos. As primeiras pesquisas colocaram Aécio na frente de Dilma. Quando começou a campanha na TV, vimos uma Dilma despreparada e nervosa, tentando corrigir os erros de seu governo apontando para o passado, usando e abusando do terrorismo eleitoral. Do outro lado vimos um Aécio estadista, seguro e representando a mudança. 

Vimos a demolidora pesquisa Istoé/Sensus, onde Aécio abriu quase dezoito pontos de vantagem para Dilma. A partir daí, a ordem foi lançar os Militantes de Ambiente Virtual nas redes para tentar estancar a sangria de votos de Dilma em razão das denúncias do Petrolão. Aécio está sendo neste momento atingido com inúmeros boatos e mentiras, e não vai baixar ao nível dos petistas. A boa notícia disto tudo é que o PT está desesperado e vai mostrar o quanto é sujo, e por isso mesmo o porquê de não poder governar o Brasil por mais tempo. 

Após a pesquisa vimos o encontro de Aécio com a viúva de Eduardo Campos e seus filhos, que declararam apoio ao tucano. O discurso de Aécio, em Pernambuco e transmitido para todo o Brasil através da propaganda eleitoral, é emocionante e memorável. Aécio teve coragem de mostrar um desafio amplo aos petistas ao anunciar que vai vencê-los. E mostrou ser um candidato não só de mudança, mas de união, de igualde e principalmente, de todos os brasileiros.

E como se não bastasse isso tudo, Marina anunciou hoje o voto e apoio a Aécio. O apoio pode ter sido tardio, já que ocorreu uma semana após o primeiro turno, mas é um adendo essencial à campanha de Aécio Neves. O PSDB já está se aproveitando disso e a todo vapor anuncia nas redes sociais e na TV esta aliança fundamental para a derrota do PT.

Com isso, já dá para fechar a tampa do caixão do PT? Eu diria que não. Ainda há quatorze dias até a eleição e vinte e quatro programas na TV. Faltam os debates, que tenho certeza que serão determinantes. A luta deve continuar. Mais do que nunca, temos que convencer os indecisos, expressar nossa indignação contra o governo e apoiar Aécio. Como foi dito por Marina, continuar com o PT é um caminho suicida, e como disse Aécio, é preciso alguém que nos liberte do jugo deste governo covarde e mentiroso. Estamos ganhando sucessivas batalhas. Mas só é possível ficar realmente satisfeito quando a guerra for ganha.

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Primeiras impressões da propaganda na TV.

Ontem, 9 de outubro, começou o horário de propaganda eleitoral gratuito para candidatos a presidente no segundo turno da eleição. O programa de Dilma foi o primeiro, o de Aécio veio logo após, cada um com dez minutos de duração. Pudemos verificar algumas características bem interessantes.

Em seu show de mentiras, o PT não se cansa de tentar denegrir a imagem de Aécio Neves associando-o com um suposto passado sombrio que teria atingido o país durante o governo de Fernando Henrique Cardoso. As farsas apresentadas pelo PT mostram que o partido está desesperado. Mas isso não é o mais curioso, na verdade era até esperado que o PT começasse a bater em Aécio para tentar ganhar a eleição. Foi o que eles fizeram com Marina Silva no primeiro turno. Mas agora, o jogo é outro. É outra eleição. O que mais surpreendeu no horário eleitoral foi Dilma afirmar ser a candidata da mudança.

Com um slogan digno de oposição, Dilma afirmou que haveria um governo novo, e com o mesmo ideias novas. O festival de mentiras continua. Se Dilma não resolveu os problemas do país em quatro anos, por que o eleitor deveria confiar nela de novo e reelegê-la? Não acredito que esta seja uma estratégia inteligente, o PT está tentando dizer que também é o partido da mudança. Assim, presumo, eles pretendem diminuir a rejeição de Dilma e fazer com que os eleitores que desejam a mudança mas votam em Aécio duvidem de suas convicções e repensem sobre qual mudança desejam seguir. É evidente que a mudança apresentada por Dilma não passa de uma farsa, um blefe, uma proposta insólita em um momento desesperado causado pela vantagem de Aécio nas pesquisas.

Após o programa de Dilma fomos brindados com um programa por parte de Aécio. O Brasil verde e amarelo prevaleceu sobre o Brasil vermelho e sujo, onde os ataques são covardes. Aécio discutiu o Brasil e mostrou suas competências ao eleitor. Foram apresentados dois caminhos, o caminho da mudança e o caminho da continuidade da corrupção, da política econômica descompromissada e do aparelhamento do Estado. O eleitor sabe o que é melhor. No final do programa, a pesquisa do Instituto Paraná surgiu mostrando a preferência do eleitor por Aécio. 

Hoje, o programa melhorou. Várias personalidades apoiadoras de Aécio Neves foram mostradas. Intercalados com estes famosos, grandes quadros do PSDB e aliados, como José Serra, Geraldo Alckmin, Beto Richa, ACM Neto, etc. Logo no início do programa foi apresentada a recente pesquisa Datafolha onde Aécio está numericamente à frente. Ao som da música que marcou a campanha, dando boas-vindas ao novo Brasil que está surgindo, foram apresentadas mudanças. E no final, uma surpresa para o PT.

Uma das más notícias é que a cada programa que Aécio fizer para discutir o Brasil, Dilma fará um para denegrir sua imagem. A outra má notícia é ter que aguentar políticos anteriormente oposicionistas, como Raimundo Colombo e Kátia Abreu, prestando depoimentos em favor da candidata. É repulsivo. Lembrem-se de que devemos unir forças. O PT fará de tudo para ganhar essa eleição. Mas nós não vamos deixar que isso aconteça.

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Análise das quatro novas pesquisas eleitorais.

As mais recentes pesquisas confirmam o prognóstico que ambas as campanhas de Aécio Neves e Dilma Rousseff previram: o tucano aparece à frente. Um pouco mais nas duas primeiras, um pouco menos nas duas últimas. Mas temos algumas razões para acreditar que a vantagem de Aécio é sólida e, caso o quadro eleitoral não se altere bruscamente, sua vitória virá com extrema naturalidade.

O primeiro levantamento, feito pelo Instituto Paraná e divulgado pela revista Época, mostra Aécio na dianteira com 54% dos votos válidos ante 46% de Dilma. É um cenário bastante positivo, confirmado pelo Instituto Veritá. Essa segunda pesquisa designou Aécio com 54,8% contra 45,2% de Dilma, uma vantagem de 9,6 pontos percentuais. Para vencer Aécio, supondo que estes números refletem a realidade, Dilma teria que subir bem acima da margem de erro e ainda esperar uma queda do tucano. Não é algo impossível - visto que esta eleição até agora desenhou-se como uma montanha-russa -, porém se o PT está batendo tanto em Aécio Neves há uma razão bem clara: nunca antes a possibilidade de deixar escapar a presidência da república foi tão explícita. Oque nos dá motivos para comemorar é que o PSDB, desde as eleições de 2002, não larga na frente em pesquisas de segundo turno para presidente - até agora. 

Observando ambas as pesquisas, pergunto qual é a que mostra Aécio mais bem colocado. É a pesquisa do Instituto Paraná. Vejamos os votos totais de Aécio. Segundo a pesquisa divulgada por Época, Aécio tem 49% das intenções de voto, ao passo que no instituto Veritá ele tem apenas 42%. Isso indica que, se a primeira pesquisa refletisse a realidade, bastaria Aécio crescer 1% mais um voto e Dilma não o alcançaria em hipótese alguma. O problema aparece na pesquisa do instituto Veritá, quando somos confrontados com uma incógnita: 17% de eleitores aparentemente indecisos. Uma parcela que não deve ser desprezada e que, caso exista mesmo, pode ser determinante para esta eleição.

Após a divulgação das duas pesquisas citadas acima, tivemos hoje mais uma rodada de levantamentos Datafolha/Ibope. Dois dos principais institutos de pesquisas, que erraram grotescamente no primeiro turno, como sempre fazem. Agora, eles apontam um empate técnico (46% e a 44%), com a vantagem numérica do tucano. Em votos válidos, Aécio tem 51%. É um ótimo começo, sem sombra de dúvidas. Os institutos de pesquisa não são confiáveis, por isso é preciso continuar nossa luta não importa o que seus números digam. Pode-se ver que eles acertam mais no segundo turno, talvez para não jogar sua credibilidade por água abaixo. Mas há uma forma mais sutil de manipulação: utilizar a margem de erro em favor de um candidato e contra outro. Foi exatamente o que foi feito em 2010. A última pesquisa Ibope apontou Dilma com 58% e Serra com 42%, sendo que nas urnas o resultado foi 56 a 44. Supondo que os institutos estejam usando isto a favor do PT, o resultado real de Aécio vs Dilma seria 48 a 42, o que indicaria seis pontos de vantagem, ou 53 a 47 em votos válidos, um número que bate com as duas primeiras pesquisas. E isso indica ainda que Aécio precisa subir só dois pontos para ganhar esta eleição. Não é uma tarefa impossível.

No mais, é preciso destacar o enorme bom senso que tomou conta dos eleitores de Marina Silva. Mesmo sem o anúncio de apoio por parte da candidata do PV, a plena maioria (64%, segundo o Ibope) optou por Aécio no segundo turno. Isso só mostra o sentimento de mudança que está em todos os brasileiros. As pesquisas mostram que estamos no caminho certo, e é preciso intensificar nossa luta. Se eu fosse um petista, realmente estaria preocupado.

Uma campanha suja.

Durante todo o curso do primeiro turno das eleições presidenciais, vimos uma campanha interessante, marcada por reviravoltas impressionantes e pelos sórdidos e inadmissíveis ataques do PT à figura de Marina Silva. A máquina petista desconstruiu a imagem da candidata do PSB mentindo sobre vários aspectos de seu governo. Nunca antes na história deste país as mentiras foram espalhadas aos quatro ventos com o único objetivo de denegrir quem estava na frente nas pesquisas. Marina não conseguiu se defender e despencou no número de votos.

Agora, o adversário do PT é outro: somos nós. É Aécio Neves, do PSDB. O PT planeja refazer a estratégia do primeiro turno, que envolve o ataque cruel e sujo para com o adversário. Aécio sabe do que o PT é capaz, e ao contrário de Marina, não permanecerá calado. Todos sabem que o telhado do PT é do mais fino vidro. Este partido vai utilizar todas as formas possíveis para tentar destruir a imagem e a reputação de Aécio. É preciso mais do que nunca que nós unamos para impedir que os eleitores sejam enganados novamente e o Brasil continue nas mãos desta corja.

Antecipando-se aos ataques petistas, o PSDB lançou o site Aécio de Verdade. Clique aqui. O site foi criado para acabar com os boatos e informações mentirosas que o PT, como de praxe, espalha pela rede. Nesse momento, tal como em 2010, não é Aécio nem o PSDB que estão sob ataque. É o Brasil todo, que vai ter que assistir, a partir de hoje na TV, um verdadeiro terrorismo eleitoral. Isso só mostrará o quanto Dilma é despreparada e o quanto suas propostas são vazias. Deveremos nos preparar, pois até ao dia 26 ainda há uma longa caminhada. Mas, com esforço e dedicação, o povo irá derrotar o PT. Fico imaginando como eles reagiriam em caso de derrota...

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

O retorno do blog


Olá. Há pouco menos de quatro anos atrás, eu, Lucien, começava este blog, informando a todos os leitores fatos sobre a política em várias esferas (municipal, estadual e federal), com opiniões que continham um posicionamento pró-oposição. Lembro-me de quando comecei a escrever aqui, após ser inspirado pela comunidade do Orkut José Serra Presidente. Vi que poderia mostrar meus posicionamentos de uma forma mais efetiva e por isso migrei para a plataforma atual.

O blog foi criado em meio ao segundo turno da eleição presidencial de 2010, com ambos os lados, PT e PSDB, em uma queda de braço ferrenha. As notícias eram desfavoráveis (posicionamento neutro da candidata derrotada Marina Silva, pesquisas indicando a vitória de Dilma, etc), mas continuamos nossa luta. Desanimei, pensei em excluir o blog após o término da disputa presidencial. Mas era preciso continuar, era preciso reunir fatos e opiniões que mostrassem a verdadeira face do PT. Em 2011, o Blog prosseguiu. Porém, por algumas opiniões pessoais, resolvi descontinuá-lo em meados de 2013. Fiquei frustrado e decepcionado comigo mesmo por não conseguir manter o site.

Mas bem, estou voltando, sem receber nenhum centavo para tal. Como o subtítulo do blog informa, o objetivo é defender o Brasil. E defender o Brasil, mais agora do que nunca, é impedir que o PT consiga sua reeleição. Isto é de suma importância para que o Brasil cresça, para que as organizações primordiais não sejam aparelhadas e destruídas, para que o país não vire uma ditadura. Reconheço que o apoio foi tardio e peço desculpas. As postagens deveriam estar sendo atualizadas em um ritmo constante desde 2013, mas me desanimei por uma série de razões. 

É importante nos unirmos, é importante estarmos juntos como um exército, mas acima de tudo, um exército do bem. Vamos mostrar aos vermelhos que o foco do segundo turno não são os candidatos, e sim o país. A mudança que o Brasil precisa está próxima de ser conseguida. Mas até o segundo turno destas eleições presidenciais de 2014, até o dia 26 de outubro, ainda haverá muita luta. Vamos juntos, e espero que o blog possa retornar de vez, firme e forte. 45!

segunda-feira, 22 de julho de 2013

Dilma pagou um mico.

No vídeo acima vocês podem ver Joaquim Barbosa cumprimentando o Papa Francisco. Curioso que Dilma estava ao seu lado, e Barbosa simplesmente a ignorou. A face de Dilma, antes com aparente felicidade, ficou envergonhada. Dilma pagou um mico.

Parece que nada mudou.

Me surpreende ver o que mudou semanas depois de dias de manifestações de grande adesão popular.

Nada aconteceu. Pelo menos, nada em prol do povo.

As pessoas se manifestaram, lutaram por direitos. Por Educação, por Saúde, por Segurança, pelos Transportes, por uma melhor reforma política. Os brasileiros lutaram.

Não é possível negar que as manifestações não mantiveram seu ânimo inicial. Ela teve efeitos, sim. Intimidou os políticos. Fez a popularidade de prefeitos, governadores e até da presidente despencar.

Mas não foi o suficiente. Não o suficiente para nós. A voz das ruas não foi ouvida de verdade. Analisando-se os fatos, chegamos a esta triste e infeliz conclusão.

Dilma, a chefe de estado brasileira, ao invés de realmente fazer valer a opinião do povo, preferiu insistir na ideia de um plebiscito. Um plebiscito que não atende os anseios do povo, e é usado por Dilma e pelo PT para manipular a opinião do povo em prol de seu partido. Dilma também preferiu insistir em um programa para levar mais Médicos ao interior, um programa sem pé nem cabeça e com puro interesse eleitoral.

Realmente, uma vergonha. Enquanto o povo continua com seus problemas causados por esses ladrões que dominam o país, enquanto o povo sofre, os políticos, autoridades e demais integrantes da classe "superior", estão em outro Brasil. Em um Brasil no qual são intocáveis. Em um Brasil no qual desdenham do povo. E sabem que nada vai acontecer. Sabem que não irão ser derrubados. Sabem que tem todas as formas de resistir contra o povo.

E parece que não importa o quanto seja forte nossa luta, o quanto nos empenhamos para mostrar a verdade para os brasileiros, parece que eles sempre estarão lá, rindo de nossas caras, desviando o dinheiro público e pouco se lixando se isso é certo ou errado.

Mas uma hora, se isto for mesmo o que chamamos de Brasil, isso há de acabar.

segunda-feira, 8 de julho de 2013

Aloysio Nunes quer explicação dos EUA sobre espionagem ao Brasil.

Liderança do PSDB no Senado:

Brasília – Após reportagem publicada na edição do jornal O Globo desta segunda-feira (8) intitulada Brasília abrigou base dos EUA de espionagem por satélite, o líder do PSDB no Senado, Aloysio Nunes Ferreira (SP), apresentou na Comissão de Relações Exteriores um requerimento convidando o ministro das Relações Exteriores, Antônio Patriota, para prestar esclarecimentos sobre a notícia de que a comunicação eletrônica dos brasileiros seria alvo de espionagem dos norte-americanos.

O jornal teve acesso a dados coletados pelo ex-técnico da CIA, Edward Snowden, que denunciou um gigantesco esquema de espionagem liderado pela Agência Nacional de Segurança dos EUA (NAS) .

O Brasil, com extensas redes públicas e privadas digitalizadas, operadas por grandes companhias de telecomunicações e de internet, aparece destacado em mapas da agência americana como alvo prioritário no tráfego de telefonia e dados (origem e destino), ao lado de nações como China, Rússia, Irã e Paquistão.

É incerto o número de pessoas e empresas espionadas no País. Mas há evidências de que o volume de dados capturados pelo sistema de filtragem nas redes locais de telefonia e internet é constante e em grande escala. Segundo dados do exército publicados pelo Globo no sábado (6), foram espionados 2,3 bilhões de telefonemas e e-mails.

Ministério Público abre investigação sobre viagens de Cabral de helicóptero.

VEJA:

O Ministério Público do estado do Rio de Janeiro vai abrir investigação para apurar o uso que o governador Sérgio Cabral, do PMDB, tem feito dos helicópteros oficiais para se deslocar até o Palácio Guanabara, nos dias de semana, e até sua casa em Mangaratiba, na Costa Verde. O procurador-geral de Justiça do Rio, Marfan Vieira, conversou, na manhã desta segunda-feira, com o deputado estadual Luiz Paulo Corrêa da Rocha, do PSDB. No telefonema, o deputado perguntou se havia necessidade de o MP ser acionado por escrito. A resposta de Marfan a Corrêa da Rocha, por volta das 10h30, foi de que o Ministério Público faria uma apuração por ofício, a partir das informações reveladas por VEJA desta semana. A reportagem mostrou que, diariamente, Cabral usa helicópteros para ir do Leblon ao Guanabara, num percurso de dez quilômetros. As viagens, por ano, custam 3,8 milhões de reais aos cofres públicos.

Os deputados Corrêa da Rocha, Marcelo Freixo, do PSOL, e Paulo Ramos, do PDT, combinaram algumas medidas para que sejam feitas investigações sobre as viagens de helicóptero de Cabral e família. Os deputados protocolam, nesta segunda, denúncia por crime de responsabilidade e por quebra de decoro na presidência da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj). A outra denúncia será para que o MP investigue o governador por improbidade administrativa.

A terceira iniciativa do trio de deputados é entregar ao Ministério Público Federal uma representação contra o governador por crime de peculato. Como o governador tem foro privilegiado, responde no Superior Tribunal de Justiça. Neste caso, quem denuncia é o procurador da República via MPF. “Entendo claramente que há três dispositivos constitucionais duramente contrariados: o princípio da moralidade, da razoabilidade e da eficiência”, diz o deputado tucano.

Freixo também fez um requerimento de informações para o governo do estado sobre o uso de aeronaves: quantas são, para que são usadas, quem as usa. “Para que haja investigação, será necessário o apoio das ruas, a pressão popular. Tanto a Alerj como o Ministério Público vão agir impactados pela reação da população. A derrota da PEC 37 aconteceu porque a sociedade ouviu o MP e pediu que o órgão continuasse a ter poder de investigação. Hoje, o MP é quem tem que ouvir as ruas”, afirmou Freixo.

A reportagem de VEJA mostrou ainda que um dos sete helicópteros do estado – um Agusta AW 109, comprado em 2011 por 9.732.934 dólares (o equivalente a 15.233.015 reais, à época) – é usado todo fim de semana pela família do governador. Toda sexta-feira, o luxuoso helicóptero - considerado uma limusine do ar - leva a mulher do governador, Adriana Ancelmo, os filhos, as babás e o cachorro da família para Mangaratiba, onde Cabral tem uma mansão. Sábado, a aeronave leva o governador. Domingo, o “helicóptero da alegria”, como chamam os pilotos, faz duas viagens, uma delas apelidada de “voo das babás”. 

“Usar um helicóptero oficial, pago com dinheiro público para levar a mulher, filho, babá e cachorro para mansão, em Mangaratiba, é inadmissível. Isso faz mal à democracia. Ele tem a certeza da impunidade”, afirma Freixo, que verificará se os abusos com viaturas oficiais são qualificados como improbidade ou peculato. “Não tenho dúvidas que se trata de crime. Ele é o nome mais criticado nas passeatas que têm mobilizado o Rio, mas se recusa a ouvir a voz das ruas.”

A deputada Janira Rocha (PSOL) pedirá à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) a relação de todos os passageiros que utilizam os helicópteros do governo do estado do Rio.


domingo, 30 de junho de 2013

Alguém sentiu falta da Dilma no Maracanã?

Domingo, 30 de junho de 2013. A final da Copa das Confederações, um jogo esperado por milhões de pessoas: Brasil x Espanha, em pleno Maracanã. A seleção brasileira merece nossos parabéns pela atuação frente à fúria espanhola. Mas alguém não estava no Maracanã. Alguém não marcou presença. A presidente Dilma Rousseff não foi ao estádio, e o motivo é óbvio: o medo. Dilma foi oprimida na abertura do campeonato com as vaias de milhares de pessoas. E não seria diferente no Maracanã. Seria um vexame maior. Dilma resolveu não ir no estádio. Isso mostra que ela está com medo, que é uma governante fraca e que não sabe lidar com tudo o que vem acontecendo até agora. É uma vergonha. Mas e então? Alguém sentiu falta da Dilma, alguém mesmo fez questão de lembrar que era para a presidente estar presente no evento? Não. A ausência de Dilma foi completamente ignorada. Parabéns aos torcedores!

Reunião de oposição e Dilma não deve acontecer.

O Globo:

BRASÍLIA - Anunciada semana passada, a reunião que a presidente Dilma Rousseff faria com parlamentares da oposição nesta segunda-feira não deverá ocorrer, nem ser agendada para breve. O líder do PSDB na Câmara, Carlos Sampaio (SP), disse hoje que não houve sequer convite por parte do Palácio do Planalto e, mesmo que a oposição fosse chamada, não faria sentido encontrar-se com Dilma neste momento.
— Reunião para quê? É algo que perdeu o sentido, tornou-se inócuo, inoportuno. Dissemos que estaríamos dispostos a discutir a pauta que está nas ruas: Transporte, Saúde, Educação, serviços públicos. Mas a presidente não tocou nesses assuntos. E agora quer uma reunião para nos comunicar quais perguntas pretende fazer no plebiscito (sobre reforma política) — disse Sampaio.

Protesto inusitado na cerimônia de encerramento da Copa das Confederações.

A festa de encerramento de um torneio marcado pelas manifestações do lado de fora dos estádios teve um protesto também no gramado do Maracanã. A breve e simples cerimônia, iniciada pontualmente às 17h25 deste domingo, transcorria dentro do esperado quando dois voluntários que participavam das coreografias no campo se desgarraram do grupo e tentaram estender uma faixa escondida sob seus adereços, que imitavam bolas de futebol. Um coordenador do espetáculo correu na direção da dupla e precisou se enroscar com os manifestantes para arrancar a faixa de suas mãos. A mensagem condenava a privatização do Maracanã. Em seguida, num momento absolutamente inusitado, os voluntários, já sem a faixa, retornaram para a formação no gramado como se nada tivesse acontecido. Depois, pelo menos um deles foi retirado pelos organizadores. (VEJA)

Comentando a pesquisa Datafolha.

Eu confesso que me assustei quando vi a nova pesquisa da Datafolha. Realmente, o quadro eleitoral mudou. Dilma não caiu. Despencou. Parece que realmente os protestos surtiram efeito. O quadro eleitoral mudou. Agora as eleições estão mais incertas do que nunca. E o melhor de tudo: um segundo turno sem Dilma é teoricamente possível.

Estamos vivendo um ótimo momento na nossa história. Um momento no qual o povo se revoltou contra todas as mazelas existentes no Brasil. Um povo que clama por um país melhor. Nós estamos cansados do que está acontecendo. O PT rindo de nossas caras e achando que somos palhaços.

O povo deu o troco. Dilma caiu 24%. Lula caiu 10%, e vai cair mais. Agora o páreo está em uma situação totalmente oposta à que começou. Dilma não está mais com aquela vantagem com folga, e isto mostra que o segundo turno, que antes não existia, agora aparece assustadoramente para a candidata do PT.

Campos parece que está muito autoconfiante para uma corrida eleitoral. Só cresceu 3%. E isso apesar de uma exposição na TV relativamente grande. Já Marina e Aécio tiveram um crescimento mais considerável: 5% cada um. O percentual ameaça Dilma. Não contando Dilma, todos os candidatos somados tem 47%. 17 pontos a mais que a petista. Usando a margem de erro em favor de Dilma, teríamos Marina, Aécio e Campos com 41%, e Dilma com 32%. Uma diferença de 9 pontos. Ou seja, se a eleição fosse hoje, o segundo turno seria inevitável.

A quantidade de votos de Dilma está sangrando e diminuindo a cada instante. O PT, desesperado, agora defende colocar Lula na disputa para que ele ganhe. Mas até mesmo o Arrogante está perdendo votos. E até 2014, muita coisa pode acontecer. Há boatos de que Lula pode estar sofrendo de problemas graves de saúde.

A oposição só tem a comemorar. Nunca na história deste país foi tão fácil expulsar o PT das urnas. O clima é muito favorável para que este câncer político seja completamente extirpado. Só precisamos fazer a nossa parte. Fora PT!

sábado, 22 de junho de 2013

Impeachment de Dilma: uma proposta inteligente?

Há muito vem se discutindo um possível impeachment da presidente Dilma Rousseff. A proposta ganhou força nos últimos dias, com o surgimento dos inúmeros protestos que tomaram conta do Brasil. Uma petição online foi criada para isso e muitos quiseram o impeachment da presidente.

Porém, defender esta bandeira necessita de uma reflexão. E é esta reflexão que me faz estranhar este tipo de comportamento. É claro que não estou defendendo Dilma. Na minha opinião, não só de muitos, ela está fazendo um péssimo governo, já que o Brasil da propaganda é bem diferente com o Brasil da realidade.

Mas temos que ficar atentos aos fatos que nos rodeiam. O que existe hoje? Uma classe corrupta. Que se diz  defensora do povo e angaria os votos de milhões de brasileiros a cada dois anos. Acho que vocês já sabem que estou me referindo aos políticos. A grande maioria dos membros do Legislativo e Executivo está se lixando para o povo. E são esses políticos que formam a chamada "Base Aliada". É claro que também existem políticos ruins na oposição (vide Demóstenes), mas falar disso não é o foco deste texto.

E dessa Base Aliada, qual é o principal aliado do PT? O PMDB, o partido das raposas, o partido dos oportunistas. E o vice presidente é Michel Temer, do PMDB. Agora, imaginem que Dilma possa sofrer um eventual impeachment, quem irá assumir? O vice! O que vai mudar neste Brasil? Absolutamente nada. As pessoas vão continuar tendo motivos para protestar. Alguém acha que Michel Temer irá fazer uma mudança significativa neste país, que irá mudá-lo para melhor? Eu não.

Outra coisa é que não podemos nos iludir. O impeachment de Dilma é viável, porém a base aliada não irá deixar que isto aconteça. Por um simples motivo: mais de 65% dos deputados e senadores são do PT. Por isso o impeachment é improvável de acontecer. A menos que ocorra uma ampla mobilização popular a favor disso, que não é o que ocorre hoje. Há a petição do Avaaz, mas a maioria dos milhares que a assinaram não foram aos protestos defender sua bandeira.

Outra coisa é que a queda de Dilma iria beneficiar uma pessoa. Não seria o povo. Seria nada mais nada menos do que o arrogante ex-presidente Lula. Ele iria despontar como o candidato do governo em 2014. E com grandes chances de ganhar, até porque provavelmente Eduardo Campos se retiraria da disputa nesse cenário.

É por isso que não vejo como um impeachment da Dilma poderia ajudar a oposição ou o povo. Sim, vamos tirar Dilma do poder e inverter o jogo a favor da oposição. Mas em 2014, democraticamente, sem que os erros comentados acima aconteçam. Em vez de nos preocuparmos com um fato dificílimo de acontecer, vamos apoiar Aécio Neves na medida do possível para que não lamentemos mais uma eleição perdida.

O cúmulo da palhaçada: para o povo, hospitais ruins. Para a Fifa, hospitais particulares!

Jamil Chade e Leonardo Maia - O Estado de S. Paulo:

RIO – A Fifa e os manifestantes que tomaram as ruas brasileiras tem pelo menos um ponto em comum: ambos concordam que os hospitais públicos brasileiros não oferecem um serviço minimamente decente. Ao contrário do que ocorreu na África do Sul, quando a entidade credenciou algumas unidades públicas de saúde para atender seus membros e investiu neles, no Brasil a Fifa será atendida pela rede particular.

Caso um jogador, cartola, repórter estrangeiro ou membro da entidade sofra algum problema de saúde, será levado para um desses hospitais credenciados. Todos, salvo no caso de Porto Alegre, são clínicas privadas.

"Essa é uma definição da Fifa escolher em qual rede quer ter seu atendimento. O governo brasileiro tem se preparado para melhorar toda sua rede, estamos no processo de preparação na rede pública. Estamos investindo pesadamente", comentou Derborah Malta, diretora de promoção da saúde do Ministério da Saúde.

Com o cuidado de medir as palavras, o diretor médico da Fifa, Jiri Dvorak, procurou não fazer críticas diretas ao sistema de saúde público brasileiro e dizer que a decisão tomada levou em conta a orientação das autoridades locais.

"Quando escolhemos os hospitais nós o fazemos junto com o COL (Comitê Organizador Local). É uma avaliação complexa. Não estamos impondo que seja hospitais privados. Temos um grupo independente que avalia (os hospitais)".

Diante de perguntas sobre os protestos que pedem por melhores hospitais públicos, Deborah disse que o governo Dilma tem como prioridade aumentar o orçamento da saúde.

"Atualmente 9% do PIB são investidos na saúde, mas achamos sempre que podemos investir mais. É uma demanda legítima de melhorias na saúde. Estamos trabalhando para melhorar a gestão e o investimento na saúde pública. Somos um país em desenvolvimento e ainda temos muito a construir", ponderou a diretora. 

Confronto entre manifestantes e polícia em BH.

Folha de S. Paulo:

O protesto que reúne cerca de 60 mil pessoas em Belo Horizonte na tarde deste sábado registrou um confronto entre manifestantes e a Polícia Militar por volta das 16h10 perto do estádio do Mineirão.

Às 16h, teve início no estádio o jogo entre Japão e México pela Copa das Confederações.

Segundo o major Gilmar Luciano Santos, que monitora o protesto do centro de operações, o ato reúne 60 mil pessoas.

A multidão marchava desde o centro da cidade quando um grupo tentou furar o bloqueio e se aproximar do Mineirão.

Partindo da praça Sete, no centro, a passeata chegou à região do estádio pela avenida Antonio Carlos. No cruzamento com a avenida Abraão Caram, uma das que dão acesso ao estádio, um grupo numeroso passou a arremessar pedras contra os policiais.

O bloqueio no local é formado por homens da Tropa de Choque, Cavalaria e Canil da PM e pela Força Nacional.

Uma das pedras atingiu o rosto de um policial. As tropas reagiram lançando algumas bombas de gás para impedir o avanço dos manifestantes.

"Isto é violência. Não é uma manifestação pacífica", disse o coronel Alberto Luís.

Leia mais aqui.

No RJ, Manifestantes protestam contra Cabral.

Folha:

Cerca de 100 manifestantes ignoram o jogo do Brasil contra a Itália, pela Copa das Confederações, e continuam acampados em frente a casa do governador Sérgio Cabral (PMDB), na avenida Delfim Moreira, esquina com a rua Aristides Espínola, no Leblon, zona sul do Rio.

Enquanto um grupo toca violão e canta "Que país é esse?", outro grita frases rimadas contra a Copa e o governador.

"Da Copa eu abro mão. Eu quero o meu dinheiro na saúde e educação", gritavam os manifestantes.

Ao menos 30 policiais militares fazem a segurança no local. A rua Aristides Espínola, que dá acesso a portaria do prédio do governador, foi interditada.

Por volta das 16h15, cerca de 35 motociclistas da Barra da Tijuca (zona oeste) se juntaram aos manifestantes. Até o fim da tarde, o movimento seguia pacífico --sem tumultos.

A ideia dos manifestantes, que criaram uma página no Facebook para o ato, é permanecer até a segunda-feira no local.